Articulação de Agroecologia do Rio de Janeiro

Somos um movimento de organizações da sociedade que a partir da identificação, sistematização e mapeamento de experiências procura se articular no estado com o objetivo de fortalecer as iniciativas agroecológicas

Agroflorestas, Comercialização e Assistência Técnica: Prioridades para a SerraMar em 2015

Articulação de Agroecologia SerraMar reúne-se para o último encontro do ano

Roda de Conversa Regional

E o ano não terminou diferente: prosas, trocas, novidades e desafios! A Articulação de Agroecologia SerraMar (AASM) se reuniu no dia 19 de dezembro em Aldeia Velha para celebrar o ano de 2014, planejar ações prioritárias e avaliar o que foi possível construir ao longo do ano.

E não foram poucas as conquistas. Entre as principais lembranças, a participação no III Encontro Nacional de Agroecologia (ENA), a permanência forte e animadora do grupo regional, a aproximação constante de novas colaboradores e outras novidades que circularam pela conversa. Além desses destaques, a participação em diversas atividades estaduais, a realização do II Seminário sobre a Legislação de Pousio e das Práticas Agroflorestais, a presença de representantes no Curso Mulheres e Agroecologia e tantas outras construções, marcaram a linha do tempo do grupo.

Entre as perdas, a grande falta que nos faz Milton Machado, amigo e mestre agrofloresteiro que nos deixou em maio de 2014 às vésperas da ida à Juazeiro e, no conjunto dos desejos, a vontade de tirar alguns projetos antigos do papel e construir ações efetivas para a manutenção e ampliação das experiências regionais.

No encontro, realizado no Sítio do Seu Carlinhos, cerca de 25 pessoas estiveram presentes. Entre eles, representantes do Assentamento Visconde de Casimiro de Abreu, do Assentamento Cambucais em Silva Jardim, do Quilombo de Itapinoã em Rio das Ostras, além de representantes da Escola da Mata Atlântica, da Associação Mico Leão Dourado, da Cooperativa Cedro, do Projeto PAIS do Sebrae, do GT Comunicação da AARJ, da EMATER de Araruama e outros colaboradores.

Seu Carlinhos, que nos recebeu em seu sítio e Curumim, da Escola da Mata Atlântica

Como eixos de atuação prioritários foram definidos três temáticas centrais, consideradas como estruturantes e mais presentes na avaliação de todos/as membros, sendo eles: 1- a manutenção das experiências agroflorestais da região, 2- a comercialização e o acesso ao PNAE (Política Nacional de Alimentação Escolar) e 3- a assistência técnica.

Para cada um dos eixos foram apontadas demandas, avaliações e grupos específicos para reunir informações e propostas sobre os temas, sugerir ações estratégias e animar encontros e iniciativas no ano de 2015. No primeiro eixo, além de outras ações, aponta-se o sonho de construir no Sítio “Estrela do Amanhã”, um espaço educador voltado às práticas agroflorestais, onde os/as agricultores/as, estudantes, pesquisadores e demais organizações possam realizar atividades de formação orientadas pelos saberes e práticas agroecológicas como as construídas com tanto carinho pelo Seu Milton em Casimiro de Abreu.

No eixo de comercialização, aposta-se no enfrentamento concreto e propositivo das Feiras Agroecológicas para a região, no fortalecimento dos mecanismos necessários para certificação orgânica e a garantia no acesso ao PNAE. Por fim, no último tema, resgatou-se a proposta de um Seminário que possa rediscutir e planejar ações conjuntas e integradas das organizações e dos colaboradores regionais, onde a assistência técnica e outros assuntos possam ser debatidos e planejados, além do diálogo necessário e estratégico com representantes do poder público regional.

Espera-se que os eixos possam ser trabalhados prioritariamente ao longo do ano, sendo que a cada quatro meses, um dos tema ganhará destaque pelos grupos facilitadores. Ressalta-se pelos participantes que essa metodologia não impedirá que outros temas possam ser desenvolvidos, nem que outras ações ocorram concomitantemente.

Além das novas ideias e demais avaliações que circularam pelo espaço, comemora-se um novo projeto da Casa de Sementes mantida pela Escola da Mata Atlântica em Aldeia Velha, que será realizado com apoio da FASE e a conquista do Projeto Ponto de Cultura SerraMar que será desenvolvido por dois anos com recurso da Secretaria Estadual de Cultura tendo como sede, o município de Rio das Ostras. Ambas as iniciativas somam-se ao Projeto Ambientes de Interação Agroecológica coordenado pela UFRRJ e pela Articulação Estadual de Agroecologia.

Troca de Mudas e Sementes

As experiências agroecológicas, como a do sítio do Carlinhos, mantidas em terrenos “cedidos” pelos minifúndios em Aldeia Velha e tantas outras limitações na construção das resistências camponesas na região, foram lembradas do começo ao fim do encontro destacando as diversas problemáticas que a região enfrenta para que as famílias possam manter sua produção e vida nas áreas rurais da Serra Mar. A história do Seu Carlinhos, o agricultor Vaga Lume – que “pula muito cedo da cama” -, embalou a presença e a troca de sementes e mudas que aconteceu ao final do encontro. A próxima reunião da AASM será realizada em fevereiro.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 25/12/2014 por em Uncategorized.

Fotos da AARJ

%d blogueiros gostam disto: