Articulação de Agroecologia do Rio de Janeiro

Somos um movimento de organizações da sociedade que a partir da identificação, sistematização e mapeamento de experiências procura se articular no estado com o objetivo de fortalecer as iniciativas agroecológicas

QUEM SOMOS

A Articulação de Agroecologia do Rio de Janeiro é um movimento de organizações da sociedade que a partir da identificação, sistematização e mapeamento de experiências procura se articular no estado com o objetivo de fortalecer as iniciativas agroecológicas.

A construção de uma agricultura dita alternativa inspira manifestações desde os anos 70 no Rio de Janeiro com experiências como a ABIO, COONATURA e o GAE, primeiros grupos de contestação a agricultura convencional com base na utilização de insumos externos, principalmente os agrotóxicos. Neste movimento também contribuíram as primeiras ocupações de terra que foram se transformando em assentamentos e experimentando práticas agroecológicas.

Experiências de âmbito e contribuição nacional para o tema também se destacaram no Rio de Janeiro como a ASPTA e a “Fazendinha” na EMBRAPA Agrobiologia. O Rio de Janeiro foi também palco de várias articulações nacionais em prol deste movimento, como o Encontro Brasileiro de Agricultura Alternativa (1984), o Seminário Nacional de Agricultura Alternativa (1994) e o Encontro Nacional de Comunidades Alternativas (anos 80), todos com um desafio em comum: a convivência com o meio ambiente a partir de uma agricultura com base ecológica, não desvinculada de preceitos como a organização política dos(as) agricultores(as) e seu desenvolvimento social.

Em períodos mais recentes este movimento se fortalece na realização dos Encontros Nacionais de Agroecologia (ENA), em 2002 e 2006. Estes encontros reuniram experiências previamente sistematizadas num rico processo de mobilização de técnicos (as) e agricultores (as) que se envolveram no processo preparatório. O Rio de Janeiro esteve presente no II ENA com uma delegação de 43 pessoas representando 32 experiências sistematizadas. Hoje já somamos mais de 100 experiências identificadas, sendo a maior parte sistematizada, além de atividades como os encontros regionais e trocas de experiências nas diferentes regiões do estado, mostrando o compromisso e a luta destes(as) agricultores(as), sujeitos na resistência e enfrentamento ao agronegócio que tanto ameaça as experiências agroecológicas em curso.

A opção agroecológica
O agronegócio tão bem tratado e com tanto prestígio atualmente no Brasil é o mesmo que trata tão mal, há várias décadas, agricultores familiares, indígenas, quilombolas e Sem Terras. Investidas atuais em monoculturas convencionais de oleagionosas (biocombustíveis) ou na monocultura de cana-de-açúcar (produção de etanol) se avolumam sobre o território impactando social e ambientalmente. Exemplo destes impactos assistimos no campo mexicano onde a monocultura de milho transgênico para produção de etanol substituiu os campos para produção de alimento. Converteram-se alimentos em combustíveis.

Este cenário aparentemente desanimador para quem busca a soberania alimentar a partir da decisão do que, como e para quem produzir, preservando a biodiversidade e identidade dos (as) agricultores (as) ressalta a necessidade de se contrapor a este modelo a partir da organização política e da agroecologia.
Apesar da falta de apoio através de políticas públicas que no mais das vezes serve a apenas um senhor, o agronegócio, milhares de experiências agroecológicas vem se desenvolvendo no campo, surpreendendo pelos resultados, uma vez que, ignoradas pelas políticas públicas, superam as adversidades e enriquecem cada vez mais os conhecimentos que estão sendo gerados. Estas experiências beneficiam milhares de agricultores (as) e consumidores que se articulam propondo um caminho digno de desenvolvimento, coisa que o agronegócio ainda não aprendeu como mostra nossa história de 500 anos de monocultura de cana-de-açúcar. Se contrapor ao agronegócio ao mesmo tempo em que se propõem políticas realmente públicas que beneficiem as experiências agroecológicas são princípios seguidos pela articulação em prol da agroecologia.

Anúncios

Fotos da AARJ

%d blogueiros gostam disto: